Campo Pequeno foi ao rubro com os Alphaville

Campo Pequeno foi ao rubro com os Alphaville

Os Alphaville proporcionaram aos lisboetas um espectáculo de grande qualidade no passado dia 16 de Novembro

Alphaville000Falar de música para muito dos pais de família contemporâneos é recordar os anos 80, quando os pais de hoje eram os adolescentes de então, com bandas como os Alphaville a fazerem carreira . Pois foi mesmo essa banda alemã que no passado dia 16 de Novembro proporcionou em Lisboa, no palco do Campo Pequeno, um espectáculo de grande qualidade.

PUB

É quase impossível recordar a música do final de século XX sem nos determos a ouvir um daqueles clássicos pop dos anos 80 permitidos pelos alemães Alphaville, eles que contribuíram para perpetuar o legado musical de uma época. Conscientes da importância desta banda, Os Senhores do Ar, com o certificado de qualidade da rádio M80, ofereceram ao público lisboeta um grandioso concerto que o canal de Cultura do portal LusoNotícias acompanhou. Depois de terem explodido em popularidade nos anos 80 enchendo pistas de dança com música e luz em temas como "Big in Japan", Forever Young" ou "Sounds like a Melody".

Ao longo de 30 anos, os Alphaville mergulharam na música electrónica e nos sintetizadores produzindo trabalhos cada vez mais ambiciosos que recordaram agora, muitos deles, nesta noite de grande espectáculo no Campo Pequeno. Ali, com casa quase cheia, ouviu-se, cantou-se e dançou-se ao ritmo da inconfundível voz de Marian Gold. Naturalmente diferente, porque os anos passam por todos, permanece a voz e a excelente performance de um vocalista cujas primeiras palavras foram de boas vindas e agradecimento ao público português. Seguiram-se os temas "I Die For You Today", " Gravitation Breakdown", "Heartbreak City" e "Rendezvoyeur".

Alphaville001Alphaville003Alphaville004Alphaville005

O público foi ao rubro com os 'hits' dos Alphaville e dançou com entusiasmo, de algum modo “ajudados” pelo brilhante jogos de luzes e cenários, com um fundo negro e em constante mudança a ilustrar cada música permitindo um espectáculo deslumbrante.

"Nevermore" foi um tema ouvido com emoção, permitindo a presença em palco do bem e do mal, uma dualidade de valores sempre presente no tempo. Depois, após ter cantado "A Victory Of Love", Marion presenteou os fãs com "Sounds Like a Melody" e “Forever Young". E porque a vontade de ser sempre novo está na garra e na força interior de cada um de nós, Marian e a sua banda regressaram ao palco, sempre "in a good mood", prosseguindo a sua actuação com "The Jet Set”.

Alphaville006Alphaville009Alphaville010Alphaville011

O público insistia por esta altura em não se sentar, preferindo dançar e cantar, acompanhando os temas com aplausos a compasso ao ritmo de "Song For No One But Myself" e "Monkey In The Moon".

O espectáculo aproximava-se do final mas houve ainda tempo para que Marian avançasse para "Beyond The Laughing Sky" em tom mais sério mas não menos empolgante. O espectáculo chegava ao final e a prestação dos Alphaville ficava para a memória daqueles que os viram de novo, misturando por algumas horas as memórias do passado com o reencontro permitido por esta noite de grande espectáculo.

Para quem os viu, fica a certeza de termos nos Alphaville uma banda de sempre... e para sempre!

texto: Glória Resende
fotos: Tito de Sousa

Alphaville013Alphaville014Alphaville017Alphaville018Alphaville019Alphaville020

Share

Copyright © 2012 LusoSaber - Todos os direitos reservados.